1º dia - Bike105

Ir para o conteúdo

Menu principal:

1º dia

Aventuras > De Alforges pelo Minho
Preparação e Logistica

O tempo dispendido na preparação das bicicletas resumiu-se à montagem dos alforges (que comprovaram a sua estanquicidade)sendo os pneus escolhidos foram os Hutchinson Python 2.0 UST com Magick Seal no seu interior.
Não foram definidas "metas" diarias de forma a resistir à tentação de aumentar o ritmo de circulação. Um total de 5 dias disponiveis para 160 kms estimados afiguravam-se como mais que suficientes para encarar as coisas desta forma. As dormidas sempre que possivel deveriam ser em parques de campismo ou em alternativa campismo "selvagem" junto de algum dos muitos rios existentes nesta zona.

Percurso seleccionado: Viana Castelo; Ponte de Lima; Ponte da Barca; Arcos de Valdevez; Monção; Valença; Vila Nova de Cerveira; Caminha; Vila Praia de Âncora; Viana do Castelo.
Sempre que possivel a prioridade deveria ser dada à utilização de estradas com pouco movimento e com nivel técnico baixo. Estas limitações impediam a realização de incurções puramente betetistas...

Na bagagem dividida pelos quatro alforges (2 por bicicleta) para além da roupa habitual e sacos de cama, levamos uma tenda de campismo que com os seus "apaixonantes" 6 kg foi uma companhia inseparavel na minha bicicleta... 

 Viana do Castelo - Arcos de Valdevez Distancia: 50 Kms

Tal como previsto estávamos pelas 08.00h em Viana do Castelo para iniciar estas férias. Depois da azafama inicial na colocação dos alforges e restante carga acondicionada de forma a não existir hipóteses de problemas de mal acondicionamento, como tínhamos iniciado a jornada de carro bem cedo, decidimos entrar num pequeno café e tomar um reforço ao pequeno-almoço.

- Quando voltamos para junto das bicicletas, a surpresa: Chuva com grande intensidade. Confesso que não tinha dado grande importância às previsões de mau tempo, já que estávamos no mês de Agosto e apenas deveria, como tradicionalmente, chover por algumas horas, mas...

Depois de percorrer algumas ruas da cidade, entramos na estreita Ponte Velha de forma a ultrapassar o rio direcção a Darque. A chuva agora era ainda mais intensa, as minhas preocupações iniciaram-se. Não tendo qualquer experiência neste tipo de condições o nível de exigência solicitado à minha companheira era muito mais elevado, quer física quer psicologicamente. Embora me tivessem informado da existência de um caminho sempre junto à margem do rio, atendendo à chuva, achei mais prudente não o fazer. Como por altura da passagem da fábrica de celulose a chuva aliviou, optei por procurar este tal caminho e assim descobrir as traseiras destes locais. Em boa hora o fiz já que o caminho apenas num curto troço estava mais complicado de fazer mas no restante era muito fácil de rolar. Os cheiros, as imagens e o silêncio que aqui encontramos em nada, absolutamente nada, se assemelham à estrada que até aqui vínhamos a percorrer. Antes de entrar em Ponte de Lima encontrei alguns sinais já meus conhecidos, tinha encontrado o Caminho de Santiago. Este caminho foi seguido até entrar em Ponte de Lima onde nos deparamos com a Feira que aqui se realiza e nos impediu de atravessar o jardim que nos levava até à parte ribeirinha dessa cidade. Assim tivemos de percorrer algumas das movimentadas ruas e depois descer até às esplanadas junto do rio. Aqui optamos por realizar uma breve paragem e reabastecer os sólidos com uma sandes. Quando se dava inicio à "caminhada" a chuva voltou a aparecer em força e foi companhia indesejada até Ponte da Barca. Neste troço fui confrontado com um furo na roda traseira que após encher de novo a roda tive oprotunidade de pela primeira vez verificar a eficacia do Magick Seal que evitou a montagem de uma camara de ar. Em Ponte da Barca resolvemos conferenciar um pouco já que o parque de campismo mais próximo nos faria alterar um pouco a rota com a agravante de o tempo não estar muito convidativo para esta actividade. Decidimos que atendendo ao tempo extremamente instável, nesta noite ficaríamos numa qualquer residencial. Assim continuamos até Arcos de Valdevez onde ficamos na Residencial D. Isabel, junto à ponte sobre o Rio Vez, com a garantia das bicicletas ficarem na recepção durante a noite. Depois de instalados realizamos uma visita pela cidade e pela feira franca que decorria junto às margens do rio. O primeiro dia estava concluído com uma enorme apreensão da minha parte já que as previsões meteorológicas se mantinham para o dia seguinte.
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal