Etapa 3 - Bike105

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Etapa 3

Aventuras > Caminho Santiago (Norte)
Bolivar - Barakaldo (Bilbao) (27/07/2006)
Distância: 56 Kms -----------------Desnível acumulado: 936 mts

Relato do Peregrino:
Em conversa com o proprietário do Restaurante/Alojamento, ficamos a saber duas coisas:
• Fomos os primeiros portugueses a passar por ali.
• O caminho dali para frente não era o mais aconselhado a bikes. Teríamos certamente de fazer a pé 2 km .

Bom, com este cenário não restaria outra alternativa de descer o que ontem subimos e apanhar a estrada asfaltada e subir mais um porto (nome que dão a serras com alguma dimensão). Assim foi, depois de vestirmos os casacos de chuva, já que estava de novo a chover. Mais uma vez podemos verificar a enorme quantidade de pessoas que têm como hobbie a bicicleta, já que por nós passaram muitos ciclistas. A forma de cumprimento era um sonoro Opá. De início não estava a assimilar como cumprimento, mas ao fim de mais alguns Opás, compreendi o seu significado.

Duas horas foram o que demoramos para atingir o cume. Agora é sempre a descer e plano – sim plano, mesmo plano – voltamos a seguir por estrada asfaltada em detrimento dum Caminho que faz questão de subir a todos os cumes existentes. Almoçamos em Zaldibar num restaurante onde comi, como primeiro prato, o melhor macarrão que tenho memória. Aqui obtemos mais informação de como chegar junto do centro de exposições de Bilbao. Continuamos agora com um volume de transito muito maior que o que estávamos habituados, efeitos colaterais de uma grande cidade. Antes que pudéssemos encontrar o nosso ponto de viragem, fomos surpreendidos por uma pequena tempestade de ventos fortes e chuva à mistura que nos obrigaram a parar e procurar abrigo. Nesta altura, o meu amigo Mariano, que é de Bilbao e tinha conhecimento da nossa chegada, contactou-me e sugeriu nos ir buscar de carro. Atendendo ao estado do tempo, à escuridão que entretanto se abateu por Bilbao, ao transito e à dificuldade em andar de bike nestas condições aceitei. Passado pouco tempo, fomos direcção ao hotel que distava 4 km do sítio onde estávamos. Nesta pequena viagem fiquei satisfeito com a minha opção, o trânsito justificava em pleno a decisão. Para além disso de Autopista o caminho era directo mas de Carretera a coisa era bem diferente.

Chegamos ao Novotel de Bilbao situado em Barakaldo, guardamos a bike, estendemos a roupa e depois fomos jantar com o Mariano e respectiva família. Este foi o melhor hotel desta aventura. O carimbo neste dia seria do Novotel, algo que não se coaduna com um verdadeiro peregrino, algo que não somos.

Neste dia surgiu algo que me causaria sérias dificuldades nos dias seguintes, duas férias no pé do lado dto.

Relato da Peregrina:
Hoje estava a chover quando saímos de manhã da casa de turismo rural, onde pela primeira vez tivemos de lavar roupa e dificuldade em enxugá-la e onde as bicicletas ficaram arrumadas num palheiro que também servia de arrecadação e que me fez lembrar os palheiros na minha terra. Depois de descermos o que ontem tínhamos subido, lá começamos outra vez a subir, subir, subir.

A paisagem continua a ser deslumbrante, tem tanto de bonita como de difícil. Hoje o nosso objectivo era chegar a Bilbao onde tínhamos um amigo que é de lá , que já nos tinha reservado hotel, por sinal um espectacular Novotel, onde a primeira coisa que fizemos quando lá entramos foi ver onde poderíamos por o cordel para acabar de enxugar a roupa. 

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal