Etapa 10 - Bike105

Ir para o conteúdo

Menu principal:

Etapa 10

Aventuras > Travessia de Portugal
Marvão - Campo Maior (08/06/2003)
Distancia: 74 Kms -----------------Desnível acumulado: 1418 mts

O previsto aumento da temperatura e o facto de estarmos a entrar na planície Alentejana, levou a que após uma conversa antes do jantar de ontem com o meu companheiro de quarto, o Fernando Magalhães, ficou decidido que realizava-mos esta etapa apenas com recurso ao GPS. Assim a organização carregou o Track desta etapa no meu GPS.

A organização autorizava este tipo de opção mas com a condição de sair-mos na frente dos grupos e sob nossa responsabilidade em termos de acidentes que viessem a acontecer. Esta nossa opção não foi original pois existiam já alguns participantes nestas condições.

No gráfico de altimetria que a organização disponibilizava na noite anterior a cada etapa, podem ver as minhas notas consoante as indicações e chamadas de atenção dadas pelo António Malvar.

Com a opção tomada foi possível sairmos numa hora que achamos mais conveniente para os desafios que se aproximavam, mesmo que isso nos impossibilitasse de usufruir do pequeno almoço incluído no preço do quarto, assim saímos às 6.30h.

Descer a calçada de Marvão até à localidade de Portagem com o sol a nascer foi simplesmente fantástico. A foto 73 não demostra a dureza desta calçada pois esta está tapada pelas folhas, mas posso garantir que quando cheguei à fonte os pulsos pareciam estar prestes a estoirar. Aqui foi o abastecimento de água na fonte que nos tinha sido indicada pela organização, água de uma qualidade e frescura incríveis.

Em Portagem tive oportunidade de realizar uma boa foto (foto 75) e continuamos apenas guiados pelo GPS. Por algumas vezes tivemos de voltar ligeiramente para trás por erro na opção do caminho a seguir, fruto do primeiro dia em que estava por conta das indicações do pequeno aparelho. No entanto já desde o primeiro dia que tinha o aparelho ligado e com o respectivo Tracks inserido. Posso garantir que uma coisa é termos o GPS na bicicleta e ao mesmo tempo um guia que vai na frente e nos indica o caminho e outra quando apenas temos aquela caixinha .

Ao fim de uma dezena de quilómetros os erros foram desaparecendo e quase não aconteciam. Regularmente recorríamos à visualização do gráfico de altimetria de forma a nos apercebermos do que tinha passado e o que faltava vencer. Passamos por alguns locais que reconheci da Maratona de Portalegre e por algumas pequenas localidades que talvez pelo calor existente não vimos ninguém.

Nesta etapa começamos a encontrar algumas cancelas que condicionavam a passagem por algumas herdades, penso que este tipo de condicionante está direccionado para os animais mas, confesso que sinto sempre uma sensação estranha quanto atravesso este tipo de "portões".

Nesta etapa paramos inúmeras vezes mas sempre com o cuidado de serem paragens o mais rápidas possível de forma a não quebrar-mos o ritmo.

Numa das herdades que atravessamos aconteceu uma coisa tão caricata como indicadora de como é a vida nestas bandas:

- Rolávamos a bom ritmo, eu e o Magalhães, e silenciosamente, quando avistamos a alguma distância e junto à estrada alguém que parecia agachado. Quando nos aproximamos mais pude verificar que estava um homem agachado a realizar o "serviço" e de costas voltadas para nós, pensei de imediato em registar fotograficamente este momento. No entanto quando abri o fecho da bolsa onde transportava a máquina, os dois cães que estavam junto ao homem detectaram a nossa presença e imediatamente ladraram. Num acto instintivo o homem levantou-se e puxou quase como um relâmpago as calças para cima, ficando a ver passarmos com uma cara de quem viu um fantasma a andar de bicicleta. Mesmo com uma enorme vontade de explodir a rir, contive-me e cumprimentei o senhor com um sonoro "Boa Tarde".

O que este respondeu não compreendi mas gracejou qualquer coisa como quem ficou com o serviço entalado na saída da fábrica...

Outra cena divertida foi encontramos um rebanho que estava debaixo de uma sombra em plena estrada, mesmo depois de falarmos (sem espantar os animais) estes não se movessem. pelo que tivemos de contornar desmontados e fora da estrada estes animais. Esta atitude levou a comentarmos que até os animais se escondem do calor enquanto nós continuávamos a pedalar debaixo de um calor escaldante.

Definitivamente foi uma mudança na paisagem, chegamos ao plano Alentejo.

A experiência com o GPS não poderia correr melhor e de imediato decidimos que continuaríamos desta maneira. Como fomos dos primeiros a chegar ao Hotel Santa Beatriz pude pela primeira vez desfrutar da piscina. O jantar também decorreu neste empreendimento. Amanhã está prevista uma Etapa tipo voltinha da Expo. 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal